Quando as entregas feitas por drones se tornarão realidade?

A capacidade dos drones de entregar pacotes na porta de casa, só aumenta. De fato, é sim altamente provável que eles façam parte das entregas de mercadorias no futuro. No entanto, antes que isso se torne realidade, ainda existem desafios significativos para os drones comerciais e da área de saúde, incluindo segurança, custo, regulamentação e o processo de entrega. Continue lendo para descobrir em que estágio estão os serviços de entregas comerciais e dos drones para emergências médicas.

Drones comerciais e regulamentação

Anteriormente, falamos em um de nossos posts que as entregas comerciais feitas por drones estão começando a se tornar realidade, com o projeto spin-off do Google, recebendo a primeira certificação da Federal Aviation Administrations (FAA) para entregas por drones em Abril de 2019. Agora, com a UPS, Uber Eats e Amazon Air também buscando permissão da FAA para operar sua própria rede extensa de drones comerciais nos EUA, em breve as empresas poderão voar com drones sobre áreas altamente povoadas, fora da linha de visão dos operadores profissionais e à noite.

De acordo com a lei federal dos EUA, os drones são considerados aeronaves, o que significa que eles devem aderir aos mesmos regulamentos de espaço aéreo dos aviões, que são altamente restritos. A Wing, por exemplo, recebeu aprovação para iniciar as entregas comerciais via drones depois de cumprir muitos dos requisitos de segurança de uma companhia aérea tradicional, incluindo um cartão de segurança.

Sem a aprovação da FAA, os drones não podem ser transportados para fora da linha de visão de um operador e não podem aceitar nenhuma forma de pagamento por seus serviços. Como resultado, os testes comerciais generalizados nem começaram. Além disso, obter a aprovação inicial da FAA é apenas o primeiro passo de um longo processo de regulamentação. Com essa licença inicial da FAA, a Wing só pode iniciar um teste de entrega comercial via drone em uma pequena localização geográfica (Blacksburg e Christiansburg, Virgínia). Após a realização de um teste bem-sucedido, as empresas terão que solicitar novamente a permissão da FAA para expandir para outras regiões.

Em Canberra, na Austrália, a Wing também recebeu aprovação para usar drones na entrega de produtos nas cafeterias locais, mas somente após 18 meses de experimentação, 70.000 voos e 3000 entregas teste. No entanto, o uso mais difundido é dificultado pelo fato de esses drones não poderem atravessar as estradas principais, eles devem ficar longe das pessoas e os clientes tem que receber um briefing de segurança antes de aceitar quaisquer entregas.

Novamente, mesmo com essas regulamentações em vigor para iniciar entregas comerciais, o processo está em estágio inicial. Em termos de entregas regulares via drones, permanece uma grande diferença entre alguns drones que voam rotas predeterminadas, durante o dia, sob condições climáticas ideais e, potencialmente, centenas de drones, todos operando na mesma área geral e em várias condições.

Como a infraestrutura regulamentar para redes de entregas comerciais via drones está apenas no início, as empresas começaram recentemente a pensar em toda logística que vem junto com as entregas. Isso inclui procedimentos de segurança, treinamento para funcionários e quanto cobrar pelo serviço. Somente quando a regulamentação, a logística e a confiabilidade estiverem totalmente estabelecidas, os clientes verão pacotes comuns sendo entregues por drones.

Drones da área de saúde

Comparadas às entregas comerciais, as entregas na área de saúde estão avançando em um ritmo muito mais rápido. Uma das razões é que as encomendas são frequentemente transportadas por áreas rurais, o que reduz a probabilidade de colisões e poluição sonora para os residentes.

Em 2016, a empresa Californiana Zipline começou a entregar amostras de sangue para locais remotos em Ruanda por drone. O teste foi tão bem-sucedido que, em 2018, a empresa assinou um acordo de US $ 12 milhões com o governo de Gana para criar a maior rede de entrega de vacinas via drones, do mundo. Em um país como Gana, onde as estradas nem sempre são confiáveis, as entregas na área de saúde têm um enorme potencial para ajudar cerca de 22 milhões de pessoas. O serviço é capaz de até 600 voos diários para mais de 2 mil unidades de saúde em todo o país, e os profissionais de saúde podem fazer um pedido por mensagem de texto. Entre outros, o drone mais rápido da frota pode voar 99 milhas e operar sob ventos fortes e chuva, o que significa que é muito mais robusto do que um drone comercial.

Os benefícios do uso de drones para salvar vidas, anular surtos de doenças ou ajudar em uma crise humanitária, oferecem enormes oportunidades para empresas e serviços de emergência reduzirem custos e serem mais eficientes. É por esse motivo que eles foram mais amplamente aceitos pelos governos e pelo público em geral, e também porque as entregas por drones na área de saúde estão em um estágio mais avançado de teste do que a contraparte comercial.

Embora as entregas médicas por drones já tenham percorrido um longo caminho, ainda existem desafios que atualmente estão atrasando sua adoção em uma maior escala. Em particular, medicamentos, sangue e órgãos devem ser mantidos a uma certa temperatura durante o transporte e qualquer pessoa que trabalhe com as embalagens deve ser treinada adequadamente para garantir que a viagem e o desembarque dos produtos sejam eficazes.