Por que a Huawei criou seu próprio sistema operacional, o ‘Harmony OS’?

Na Developer Conference 2019 da Huawei, que aconteceu em Agosto, a empresa revelou que havia criado seu próprio sistema operacional (SO). Essa decisão segue a notícia de Maio deste ano de que os Estados Unidos implementaram uma proibição que impede empresas americanas de negociar com a Huawei sem uma licença especial. Após o anúncio dessa proibição, a Huawei recebeu uma permissão temporária para continuar operando com seus parceiros americanos enquanto preparava outros planos. Essa licença expirou em Outubro de 2019. Sob essas restrições, os aplicativos que foram baixados em telefones Huawei usando Android e Google Play, não funcionarão mais para os usuários.

O CEO do Grupo de Negócios da Huawei, Richard Yu, disse que o Harmony OS agora pode ser implantado a qualquer momento e, se necessário, implementado em um ou dois dias. No entanto, a empresa também deixou claro que deseja continuar trabalhando com seus parceiros americanos enquanto isso ainda for uma opção. Com o lançamento do Huawei Mate 30 Pro, previsto para Outubro de 2019, não está claro se este smartphone será o primeiro a usar o Harmony OS, mas a Huawei afirmou que, idealmente, ainda usaria o Android se essa opção estivesse disponível. O único problema de ter que trocar seus smartphones para o Harmony OS imediatamente é que dificultaria a venda fora da China, pois a maioria dos aplicativos precisará ter uma versão desenvolvida própria para o Harmony OS, o que levará tempo.

Se o sistema operacional for considerado bem-sucedido, outras grandes marcas de celulares, como Samsung, LG e Oppo, também poderão adotá-lo, permitindo que a Huawei amplie ainda mais o sistema e incentive mais desenvolvedores de aplicativos a criar versões que funcionem na plataforma. No entanto, desenvolver um sistema operacional bem-sucedido não é tarefa fácil, como mostrou a tentativa da Samsung com o Tizen OS em 2012 e o fechamento do Windows 10 Mobile OS pela Microsoft em 11 de Junho de 2019. Portanto, o sistema operacional da Huawei precisa se diferenciar da concorrência e fazer isso de maneira a incentivar desenvolvedores e usuários, só assim ele será amplamente adotado.

Sistema operacional Harmony e Internet das Coisas (IoT)

Os fabricantes do Harmony OS dizem que a plataforma foi desenvolvida principalmente para dispositivos IoT, a fim de conectá-los perfeitamente a um “ecossistema”. Na prática, isso significa que os criadores de aplicativos poder criar seus aplicativos e utilizá-los facilmente em diferentes tipos de dispositivos, sem ter que reconstruí-los do zero. Os dispositivos que serão incluídos nesse ecossistema variam de alto-falantes e relógios inteligentes a fones de ouvido sem fio e até carros.

O primeiro produto a usar o novo sistema operacional é o Honor Vision, uma TV inteligente, com recursos que incluem uma câmera pop-up para chamadas de vídeo, compartilhamento de tela móvel com o simples toque de um botão, além de ser um hub inteligente (apaga as luzes da sua sala de estar com um comando de voz, por exemplo). Também permite que qualquer smartphone se torne um controle remoto para a TV.

O Harmony OS terá código aberto, o que significa que pode ser adotado por fabricantes terceirizados, como empresas que gostariam de usar o sistema operacional para permitir que seus dispositivos IoT conversem com outros dispositivos.

Na China, o Harmony OS será chamado HongMeng OS e aparecerá gradualmente em vários dispositivos inteligentes até 2020, embora não esteja claro quando será lançado no resto do mundo.

Você acha que o Harmony OS será uma mudança fundamental no setor de tecnologia móvel? Deixe-nos saber nos comentários abaixo. Se você gostou desse post, confira outros tópicos semelhantes: