Meu smartphone está afetando meu sono?

Você está tendo problemas para dormir? O seu smartphone pode ser o culpado!

Os smartphones tornaram-se uma parte tão grande de nossas vidas que pode ser difícil descartá-los, mesmo na hora de dormir. Manter o telefone na mesa de cabeceira pode não parecer muito importante, mas a tecnologia afeta seu sono de maneiras que você nem imagina. Isso já foi comprovado cientificamente, com pesquisadores sugerindo que o uso do smartphone na hora de ir para a cama pode afetar sua capacidade de adormecer e causar má qualidade do sono durante a noite.

Portanto, esteja você navegando na Web, respondendo um e-mail urgente, jogando videogame ou usando seu smartphone como um despertador, isso provavelmente está causando interrupção no seu sono. Aqui estão algumas maneiras pelas quais seu smartphone pode estar afetando negativamente seu tempo de descanso.

Como a luz azul do meu smartphone afeta meu sono?

A luz azul do seu smartphone ou tablet tem o comprimento de onda mais curto e mais brilhante, o que significa que ele pode penetrar intensamente os fotorreceptores das retinas humanas. Assim, o cérebro humano vê a luz azul como luz solar e, portanto, pensa que é luz do dia quando você está no telefone.

Além disso, um estudo realizado há cinco anos por cientistas do Instituto Politécnico Rensselaer descobriu que a luz azul pode suprimir a melatonina, o hormônio que regula o ciclo de sono e vigília do corpo humano. O estudo descobriu que pessoas que usavam comprimidos duas horas antes de dormir tinham níveis mais baixos de melatonina.

Felizmente, existem algumas maneiras de limitar a luz azul do seu smartphone. A maioria dos smartphones possui configurações de “turno da noite” que ajustam a tela do seu telefone de azul frio para amarelo quente, menos propenso a mantê-lo acordado à noite. Você também pode baixar aplicativos como Twilight ou f.lux que reduzem a luz azul. No entanto, a melhor maneira de limitar sua exposição à luz azul é parar de usar o smartphone pelo menos 30 a 60 minutos antes de ir para a cama.

As atividades de smartphones afetam meu sono?

Embora a luz azul não ajude a induzir o sono, as coisas que fazemos em nossos smartphones também podem atrapalhar na hora de dormir. Por exemplo, um estudo descobriu que jogos e interações nas redes sociais causam estímulos e perturbam o descanso e o sono. Ao manter sua mente envolvida, a tecnologia pode induzir seu cérebro a pensar que precisa permanecer acordado. Se você está assistindo a um vídeo emocionante no YouTube, vendo boas notícias sobre seus amigos no Facebook ou lendo um e-mail estressante de seu chefe, essas experiências podem dificultar o relaxamento e o adormecer.

Além disso, apenas porque você não está usando seu smartphone antes de ir para a cama, não significa que ele não irá atrapalhar seu sono, mesmo que ele esteja “descansando” na sua mesa de cabeceira. Ter o celular ao alcance de um braço pode atrapalhar seu tempo de sono, graças aos alertas de textos, e-mails, lembretes de calendário ou chamadas. Portanto, para ter uma noite melhor, tente manter seu smartphone em outro cômodo.

Aplicativos que podem melhorar seu sono

Se, no entanto, você preferir manter o telefone próximo à mesa de cabeceira, em vez de movê-lo para outro quarto, ficará satisfeito em saber que ele pode ser também ser usado para lhe ajudar a ter uma boa noite de sono.

Existem muitos aplicativos gratuitos disponíveis, como Sleep Cycle, Sleep Time e Pillow, que monitoram seus padrões de sono. Eles gravam quando você dorme e acorda, e alguns também usam o microfone e o acelerômetro do telefone (se você permitir) para gravar roncos, conversas durante o sono e outros ruídos, além de toda sua movimentação. Com base nos dados que eles coletam; esses aplicativos fornecem dicas e lembretes úteis sobre como dormir bem todas as noites.

Você também pode experimentar aplicativos como o Calm para ouvir histórias de ninar, geralmente contadas por vozes conhecidas, para ajudá-lo a relaxar e adormecer profundamente.

Interessado em saber como a tecnologia pode afetar sua saúde? Leia nossas outras postagens sobre o tema: