FaceApp – é seguro usar e como ele cuida dos meus dados?

O “Desafio FaceApp”, no qual os usuários enviam uma imagem de si mesmos para um aplicativo para ver como serão daqui a 30 anos, tornou-se uma sensação viral em Julho de 2019, com 12.7 milhões de novos usuários baixando o aplicativo no espaço de duas semanas e 80 milhões de usuários ativos.

No entanto, à medida que a popularidade do aplicativo aumentou, também aumentaram as preocupações com a falta de privacidade e a segurança dos dados que estavam sendo coletados. Essas preocupações decorrem da visão de que a empresa por trás do aplicativo tem uma abordagem descuidada com os dados dos usuários. Críticos também alegaram que, como o aplicativo estava carregando imagens na nuvem, quando poderia processar os dados localmente no smartphone ou tablet de um usuário, ele estava na verdade sendo usado como fachada para a criação de um banco de dados de imagens e treinamento do software de reconhecimento facial da IA.

O proprietário do aplicativo, Yaroslav Goncharov, disse que “a maioria das fotos enviadas é excluída em 48 horas” e que a empresa “nunca transfere outras imagens do telefone para a nuvem”. Os pesquisadores de segurança cibernética também confirmaram que existem outras razões pelas quais o FaceApp gosta de usar a nuvem, ou seja, isso dificulta os concorrentes do FaceApp de ver como seus algoritmos funcionam. Permitindo assim que ele mantenha sua vantagem competitiva.

Acessando sua biblioteca

No entanto, como alguns usuários apontaram corretamente, o aplicativo permite que você escolha e use fotos sem conceder acesso à sua biblioteca de fotos. Considerando o número de capturas de tela que as pessoas obtêm sobre informações confidenciais, como extratos bancários, por exemplo, esse nível de acesso pode ser um grande risco de segurança.

No entanto, é importante observar que isso não vai contra a política de privacidade da Apple a partir do iOS 11. Isso ocorre porque, ao escolher uma foto para o FaceApp, você toca explicitamente em uma imagem que, aos olhos da Apple, representa a intenção do usuário. Isso fornece ao aplicativo apenas uma foto, o que significa que você não precisa fornecer acesso a toda a biblioteca.

Portanto, não entre em pânico se você tiver suas preferências de acesso salvas como “Nunca”. Pode até parecer que o FaceApp queira ignorar isso, mas somente a foto que você escolher editar é que será adicionada ao servidor do aplicativo.

Protegendo sua privacidade

Se você está preocupado com os termos de privacidade do aplicativo, vale a pena notar que muitos outros aplicativos, como o Twitter, têm as mesmas condições de privacidade. Você pode visualizá-las a qualquer momento através das configurações do seu telefone ou tablet e saber exatamente quais informações você está fornecendo. Além disso, a política de privacidade do aplicativo afirma que o FaceApp não pode alugar ou vender suas informações a terceiros; embora ele possa usar fotos para fins comerciais próprios, como anúncios.

Se você deseja tomar medidas adicionais para proteger sua privacidade, pode solicitar que seus dados pessoais sejam excluídos. Para fazer isso, acesse Configurações> Suporte> Relatar um bug. Em seguida, use a palavra “privacidade” na mensagem da linha de assunto.

Ignorando aplicativos falsos

Uma das maiores ameaças decorrentes do “desafio FaceApp” veio do número de aplicativos falsos que apareceram nas lojas da Apple e do Google Play. Eles geralmente contêm software malicioso e podem ser usados para enganar os usuários e induzi-los a pagar por serviços premium que não valem nada. De fato, segundo o pesquisador Lukáš Štefanko, havia 200 mil histórias on-line em Julho sobre o aplicativo falso ‘FaceApp Pro‘, que incluíam links maliciosos e que foram acessadas mais de 90.000 vezes.

É importante estar sempre vigilante ao baixar qualquer coisa da loja de aplicativos, para garantir que se trata realmente da versão oficial. Os aplicativos falsos que se “declaram” originais, apresentam sérios de riscos de segurança cibernética contra os quais você precisa se proteger.